Espiritismo na ÁFRICA

Africanos estăo muito interessados no Espiritismo, mas…
DA REDAÇĂO (DO JORNAL CORREIO FRATERNO)
Orson Peter Carrara, 47, escritor e palestrante espírita; profissionalmente é  assessor editorial e palestrante para empresas. Casado com Neuza Marana e pai de Cíntia (22) e os gęmeos Alexandre e Cássio (19). Natural de Mineiros do Tietę-SP e atualmente residente em Matăo. Articulista em diversos jornais, revistas e sites espíritas do país, colabora também em jornais năo espíritas. Como palestrante espírita, já esteve nos Estados de Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro, além de percorrer grande parte do Estado de Săo Paulo. Recentemente esteve em tręs países da África: Moçambique, Angola e África do Sul. É autor de dois livros: “Causa e casa espírita” (Editora O Clarim) e “Espíritos – Quem săo? O que fazem? Onde estăo? Por que nos procuram?” (Editora Mythos). Seus textos e agenda de palestras estăo no sitewww.orsonpcarrara.rg3.net. Segundo ele próprio afirma, considera-se um entusiasta divulgador espírita. Gosta muito de falar em público e de escrever.

Por que vocę decidiu ir para a África? Foi trabalhar na divulgaçăo da doutrina?
Fui convidado por dois empresários brasileiros que mantém negócios comerciais em países da África, para acompanhá-los numa viagem comercial e aproveitar para visitar grupos espíritas nos países visitados. Foram tręs países: Moçambique, Angola e África do Sul. Estive acompanhado do orador e médium Emanuel Cristiano, de Campinas.

Quantos dias ficou? Quais as condiçőes gerais deles?
Foram onze dias, excluídos os dias de viagens. As visitas ocorreram em Maputo, capital de Moçambique; Luanda, capital de Angola e Johannesburg, capital da África do Sul. Os dois primeiros países săo muito semelhantes ao Brasil, porém, com problemas sociais mais graves. Já a África do Sul é país de primeiro mundo, onde o idioma oficial é o inglęs. Já no outros dois países, utiliza-se o idioma portuguęs.

Qual a disposiçăo dos africanos, diante de tanta miséria social, acompanhada pela fome, e a falta de recursos mínimos de vida? Eles estăo abertos para falar sobre religiăo? Aliás, como eles entendem Deus e lidam com a questăo da religiosidade?
Como năo poderia deixar de ser, há uma sede grande pelo conhecimento espiritual. Porém, há nos países uma mistura muito grande de crenças, o que dificulta a expansăo do pensamento espírita, também agravada pela ausęncia de livros, cuja importaçăo é cara. Mas podemos dizer que, assim como ocorre no Brasil, o povo acostuma-se com a situaçăo e vai lutando conforme as possibilidades.

Como está a divulgaçăo do Espiritismo por lá?
Há muitas almas nobres reencarnadas no continente, dedicadas criaturas que buscam espalhar o conhecimento do que é bom e favoreça o crescimento intelecto-moral da populaçăo. E, claro, năo só do movimento espírita. Este é bem reduzido, justamente pela ausęncia de livros. Mas os grupos, embora diminutos, estăo trabalhando.

Acredita que sua iniciativa de ir até lá realizar o trabalho de divulgaçăo incentive outros trabalhadores a engrossarem essa fileira?
Penso que sim. A iniciativa, repito, năo foi minha. Fomos, eu e Emanuel, convidados a irmos. Foi uma experięncia marcante, pois os laços de amizade estabelecidos resultaram em frutos benéficos para os países. Năo por nossa presença, mas pela força do Espiritismo. Cremos, sem dúvida, que precisamos voltar nossos olhos também para o continente africano, pensando em termos de divulgaçăo espírita. Um dos resultados imediatos foi que já fizeram a primeira compra de livros (Moçambique, que também já articula a 1Ş Feira do Livro Espírita da África) e foram iniciados os contatos para fornecimento de livros para uma Livraria no centro de Luanda, em Angola.

Fazendo uma comparaçăo entre Brasil e África, como vocę vę hoje a situaçăo de nosso país nas questőes de educaçăo, saúde e cultura?
Vivemos numa pátria abençoada. Apesar de todos os problemas sociais enfrentados no Brasil, vivemos num paraíso. Os problemas sociais da África săo bem mais intensos e desafiadores que no Brasil.

Vocę costuma destacar as virtudes e nobreza da alma humana. Encontrou também essas valorosas almas na África?
Năo tenha dúvida. Encontramos e reencontramos almas valorosas, nobres, trabalhando pelo bem do povo áfrica. Aliás, esses encontros e reencontros foram o ponto alto da viagem. O grupo em Maputo é muito unido; em Luanda, foi extraordinário conhecer os amigos Teixeira e as duas Amélias (Amélia Da Lomba e Amélia Cazalma), valorosas trabalhadoras do Cristo em continente africano.

Em condiçőes de tanta miséria, no seu parecer, seriam livros os melhores caminhos para a divulgaçăo, ou haveria que se buscar outros meios de comunicaçăo?
Penso que é preciso semear livros a măos cheias, como diria Castro Alves. Claro que os e-mails e a Internet estăo a facilitar muito a comunicaçăo entre os países, mas os livros, ah os livros! Estes săo insubstituíveis, porque văo de măo e măo e cumprem o papel de orientar, esclarecer, confortar. Nunca sabemos exatamente até onde chegam.

Quantos livros tem escrito e qual o último  (editora)? Sobre o que fala?
Meu primeiro livro chama-se “Causa e casa espírita (Editora O Clarim) e o próprio título já indica seu conteúdo, num esforço que fizemos para valorizar a idéia espírita e o trabalho das instituiçőes. O segundo, recém-lançado, “Espíritos – Quem săo? Onde estăo? O que fazem? Por que nos procuram?” (Editora Mythos). Este último foi elaborado para alcançar o público iniciante, simpatizante ou simplesmente năo espírita, numa tentativa de simplificar e facilitar o entendimento dos ensinos espíritas, especialmente no que se refere ao termo espíritos, ainda objeto de medo, indiferença ou rejeiçăo.

Além da rica experięncia pessoal, que certamente esta viagem lhe proporcionou, o que vocę traz e pretende aproveitar para passar para as pessoas que costumam acompanhar seu trabalho, pelos livros e palestras?
Ainda năo tive tempo para organizar, mas pretendo mostrar em palestras, artigos e livros o conteúdo das experięncias, inclusive com imagens de fotos e DVD em palestras. O principal, no entanto, fica no convite que fazemos aos espíritas de todo o Brasil para que iniciemos uma campanha de arrecadaçăo de livros usados para remessa ŕ África. Qualquer doaçăo em livros espíritas (ressalte-se: livros espíritas) pode ser enviada para o seguinte endereço: Comunidade Espírita Cairbar Schutel – Av. Saldanha da Gama, 748 – Matăo-SP, CEP 15990-120. É o ponto de referęncia para posterior remessa aos amigos dos países citados.

INCENTIVO para vencer
Médico ortomolecular explica o poder do pensamento
MARCELUS CASCIANO
Fábio Gabas é especialista em medicina ortomolecular, na aplicaçăo médica da física quântica. Ministrou palestra, em 27 de novembro, para explicar como as células do corpo humano reagem aos estímulos externos. Seu objetivo foi detalhar o conteúdo do livro “A biologia da crença”, escrito pelo cientista norte-americano Bruce Lipton e editado pela Butterfly Editora.
Segundo o autor, todas as células do corpo humano săo influenciadas pelo pensamento. Veja nessa entrevista explicaçőes mais detalhadas do médico que é estudioso da física quântica aplicada ŕ medicina.Como as células do corpo săo influenciadas por nossos pensamentos?
As nossas células contęm receptores em sua membrana que captam sinais do meio onde estăo; isso inclui a energia dos nossos pensamentos. Eles serăo interpretados e văo modular a expressăo genética, ou seja, determinar quais genes e como eles văo se manifestar.
Nem sempre o homem vive num ambiente saudável. Como ele pode se “blindar” das más condiçőes que influenciam sua forma de ser?
Creio que a melhor forma de se proteger das más influęncias do meio é agir com bondade sempre! Isso sem dúvida cria um campo energético bastante protetor. Evitar morar em locais diagnosticados com Geopatia e utilizar técnicas mentais de proteçăo também săo muito importantes neste processo.
De que forma os conhecimentos de física quântica interferem na vida prática do ser humano?
A física quântica é a base do funcionamento de tudo, entăo querendo ou năo ela faz parte do dia a dia de todos. O conceito que mais me chama a atençăo e que é de extrema praticidade se refere ao fato de que nós é que somos responsáveis por tudo o que acontece conosco. Năo adianta culpar o pai, a sogra ou o Lula, pois é a nossa conscięncia que opta entre as ondas de possibilidade dos átomos para sua materializaçăo.
O pensamento positivo e o negativo tęm o mesmo poder? O inconsciente interpreta os dois da mesma forma?
O pensamento é uma energia poderosa. Tanto faz se ele é positivo ou negativo, até porque isso é relativo (o que é positivo para um pode ser negativo para outro). O que importa sim é a intençăo de quem emite este pensamento e vale lembrar que para toda açăo tem uma reaçăo. A bolinha jogada na parede sempre volta do seu ponto fraco! Portanto cuidado com o que pensa!
Há alguma forma de controlar as informaçőes que văo para o subconsciente?
As informaçőes que văo para o subconsciente săo fruto das programaçőes antigas de infância, intra-útero ou até mesmo antes disso e, portanto, mais difíceis de controlar. O que é possível sim, é reprogramar seu subconsciente e conseqüentemente mudar a resultante de sua vida.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *